top of page
  • Foto do escritorSara Midões

O que muitos líderes de equipas ainda não sabem

Atualizado: 1 de out. de 2021

Gerir uma equipa numa organização está associado a uma maior responsabilidade, a um maior reconhecimento e maturidades profissionais, e, claro, a uma maior remuneração. Muitas vezes é uma valente “dor de cabeça”, seja porque há conflitos que não se ultrapassam, seja porque há elementos da equipa que não correspondem ao que lhes é pedido, seja porque é preciso organizar e motivar constantemente. Para além disso, os líderes de equipas ainda têm que fazer o seu trabalho. Para muitos, é uma canseira. “E quem me motiva a mim?”, perguntam-se.

Mas não tem que ser assim. O líder autêntico e positivo não está focado no que corre mal, no que não funciona, nos inúmeros problemas que tem para tratar. Principalmente, não está focado em si mesmo. Este líder tem como grande objetivo da sua atuação contribuir. A sua missão é criar um universo de virtuosidade, de abundância, baseado nas forças individuais de todos e da equipa enquanto grupo, permitindo condições para vivências e desempenhos extraordinários.


É importante referir que evitar o foco na resolução de problemas não significa ignorá-los. Porque eles existem em todo o lado, em nós, nas nossas casas, nas nossas famílias e no nosso local de trabalho. Somos feitos de imperfeições e as organizações são, e bem, o espelho da nossa humanidade. Nem tudo corre bem. Faz parte. O que se passa é que muitas vezes os líderes assumem que o seu grande objetivo é “resolver problemas” quando podem também e principalmente definir como missão aprender com os sucessos e identificar oportunidades para construir um universo excecional, uma realidade positivamente desviante.

São quatro os grandes pilares das práticas de liderança positiva.

Fomentar um clima de trabalho positivo

Estudos empíricos concluíram que trabalhar num ambiente de trabalho positivo está correlacionado com uma melhor performance quer das pessoas, quer da própria organização. Como se consegue? Estimulando uma atitude de preocupação genuína e compassiva pelo outro, e fazendo das práticas de perdão, de colaboração, de amabilidade e de gratidão uma forma de estar e de trabalhar em conjunto.

Estimular as boas relações interpessoais

Não temos todos que ser "amiguinhos" uns dos outros, mas relações autênticas, recíprocas e não instrumentais podem e devem ter lugar dentro de uma equipa. A ideia está em contribuir sem esperar retorno (este acontece naturalmente). As relações no trabalho positivas são um preditor de bem-estar psicológico e social, e fazem bem à saúde das pessoas e das empresas. Líderes positivos focam-se nas virtudes e nas forças de cada elemento, no que fazem bem, ao invés das suas fraquezas. E esta prática é, por si só, um rastilho para a criação de boas relações e para performances excepcionais.

Estes líderes, para além de eles próprios serem uma fonte de energia positiva para os demais, identificam e incentivam aqueles que mais conseguem contribuir para o sucesso dos outros, gerindo assim a rede de energia positiva dentro da equipa e também desta para o resto da organização.

Comunicar de forma positiva

Palavras de apoio, ajuda, encorajamento, aprovação ou apreciação deveriam fazer parte do nosso dia-a-dia em equipa. Uma pesquisa de 2004 constatou que as equipas de alto desempenho usam cinco vezes mais declarações positivas do que as equipas de baixo desempenho.

Para além de fomentar a comunicação positiva no grupo, os líderes destas equipas usam os feedbacks corretivos ou negativos (muitas vezes necessários), para ajudar e encorajar, substituindo palavras de crítica por palavras de confiança e de apoio. Não deixam de dizer o que é preciso ser dito, mas fazem desse momento uma oportunidade de construção.


Ajudar a encontrar propósito no trabalho

A Ciência já provou que quem trabalha em função de um impacto positivo no outro ou na comunidade é mais feliz, mais realizado e trabalha mais e melhor. O líder positivo ajuda cada pessoa a aperceber-se do impacto positivo do seu trabalho nas outras pessoas, seja nos colegas, nos clientes ou na comunidade em geral. Também ajuda a associar o resultado do trabalho a uma virtude ou a um valor (por exemplo, o amor, a compaixão, a sustentabilidade, a diversidade), relembrando o propósito da contribuição de cada elemento. Também o sentido de pertença a uma comunidade que é a equipa permite a cada colaborador atribuir ao seu trabalho um significado positivo.

Para os líderes positivos, contribuição é a palavra chave. Seja a contribuição do líder para o florescimento de cada colaborador, seja a contribuição de cada elemento para o sucesso do outro, seja a contribuição da equipa para a virtuosidade e para a performance da empresa, seja a contribuição da empresa para a comunidade. Eles sabem que objetivos de contribuição são muito mais recompensadores que objetivos de sucesso individual.

E eles sabem também que, no final do dia, recebem tudo em dobro.

*Artigo originalmente publicado na Saber Viver.
 
Inscrições abertas para a formação executiva em Liderança Positiva e Empática, no ISCSP-UL. Coordenação executiva de Sara Midões. Mais informações aqui.

Procuras uma formação costumizada e exclusiva? Sabe mais sobre o programa de formação Community em Liderança Positiva.

Queres saber mais sobre liderança positiva? Espreita esta Ted Talk de Kim Cameron, um dos maiores investigadores da área.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page